Quando?

6 e 7 de junho de 2018

Onde?

Hotel Century Paulista. Rua Teixeira da Silva, 637 / 647 - Paraíso - São Paulo

Ver Rota(s)

Quanto?

A partir de R$ 220,00

Palestrantes confirmados


Alexandre Stratikopoulos

VMware

Mini bio »

Engenheiro de Sistemas para VMware América Latina, com base em São Paulo. Especialista em soluções de Cloud Computing, Network & Security. Organizador de Meetups sobre CNA e K8S, um dos líderes do VMUG-SP, Greek Bouzouki Player, Corintiano e apreciador de cerveja.

Amanda Mattos

Oi S/A

Mini bio »

Arquiteta/Evangelista DevOps na Oi S.A., engajando indivíduos e times a alcançar entregas frequentes e de alta qualidade. Com Graduação e Mestrado em Computação na UFRJ e +10 anos de experiência em desenvolvimento de software e princípios ágeis, ama soluções que combinam systems thinking, pessoas e novas tecnologias. Mulher apaixonada por computação desde os 15 anos. Mãe do Arthur de 4 anos. Entusiasta de vida saudável e sustentabilidade.

Bernd Erk

NETWAYS

Mini bio »

Bernd Erk is CEO and co-founder of the Icinga Project. In his day job he is CEO at NETWAYS, an open source service company. His technical expertise stretches across systems management, managed services and software development. As a core member of DevOpsDays organizers, he tries to spread the DevOps spirit wherever and whenever possible.

Beth Viveiros

Beth Bakery

Mini bio »

Bruno Lara Tavares

Nubank

Mini bio »

Depois de atuar durante 6 anos como Consultor de Desenvolvimento, hoje ele atua como Engenheiro de Software na Nubank, Bruno se interessa por programação funcional e pelos benefícios de estruturas imutáveis. Trabalhou com sistemas em diferentes áreas no Brasil, Estados Unidos e na Índia, em ambientes .Net, Java e JavaScript. Hoje trabalha com Programação Funcional em um ecossistema distribuído, buscando melhorar a experiência de entrega das equipes, garantindo que é possível chegar em produção de uma maneira fácil e otimizada, e busca aprender e ensinar mais sobre Rust.

Carla Crude

Concrete Solutions

Mini bio »

Sou PhD em imunologia, mas pretendia mudar minha carreira há algum tempo. Meu interesse em computação começou por participar de um curso de bioinformática durante o doutorado. Em Nov-16, desisti da área acadêmica e comecei trabalhar como QA. Estou sempre à procura de novos desafios e aprendizado ao máximo. Sou apaixonada por compartilhar conhecimento e interagir com as pessoas. Por isso fundei um evento na área de Qualidade do Software, chamado QA Sampa Meeting e gosto comecei escrever artigos para ajudar pessoas que estão aprendendo também aqui.

Donovan Brown

Microsoft

Mini bio »

Meet The Man in the Black Shirt. Donovan Brown is a Principal DevOps Program Manager on Microsoft’s US Developer Division team. Why is DevOps one of the hottest topics? Because it hurts the most. Luckily, Donovan’s unofficial tag line is #RubDevOpsOnIt and he’s here to make it all better. Before joining Microsoft, Donovan spent seven years as a Process Consultant and a Certified Scrum Master. Developer Tools are his thing. Donovan has travelled the globe helping companies in the U.S., Canada, India, Germany, and the UK develop solutions using agile practices, Visual Studio, and Team Foundation Server in industries as broad as Communications, Health Care, Energy, and Financial Services. What else keeps the wheels spinning on The Man in The Black Shirt? Donovan’s also an avid programmer, often finding ways to integrate software into his other hobbies and activities, one of which is Professional Air Hockey where he has ranked as high as 11 in the world.

Emmanuel Brandão

Consultor

Mini bio »

Ajudo times de desenvolvimento de software a serem mais produtivos. Mais sobre mim em: https://about.me/egomesbrandao

Eric Magalhães

Job Score

Mini bio »

I have a strong background as a Systems Engineer for both Windows and Linux systems with some limited experiences with Software Development along the years. I’m lazy by nature and passionate about automation and anything that can make my job painless, therefore getting interested in topics like coding, configuration management, containers, CI/CD and cloud computing went from a hobby to an obsession. Currently, I work as a DevOps Evangelist at JobScore, where I’m architecting AWS infrastructures, taking care of infrastructure operations, developing pieces of automation, and helping build and spread the DevOps culture within the company. Besides my professional life, I like singing and playing my guitar, taking random pictures, traveling, drinking beer, cooking, eating and hanging out with my family and friends.

Gustavo Lichti

Geru

Mini bio »

Apaixonado por tecnologia, FOSS(Free and Open Source Software), usuário diário de linux desde 2002, pai e marido apaixonado, mais de 16 anos na área de TI, com foco em sistemas e infraestrutura. Atualmente SRE na Geru. Capacitou mais de 1.900 pessoas em GNU/Linux, VoIP e infra-estrutura de rede entre os anos de 2007 e 2013. Nomes como Anisble, Docker/Moby, Swarm, Kubernetes, Terraform, AWS, Azure, Golang, Microserviços, Python fazem parte do seu dia a dia.

Gustavo Pantuza

Globo.com

Mini bio »

Mestre em Ciência da Computação pela UFMG nas áreas de Sistemas distribuídos e Redes. Engenheiro de software sênior na Globo.com. Nas horas vagas gosta de trabalhar com hardware e escrever sobre Computação em seu blog.

Igor Souza

Stone Pagamentos

Mini bio »

Desenvolvedor com acesso de administrador na Stone Pagamentos mantendo nossos ambientes confiáveis, resilientes, automatizados e em constante evolução!

Viciado em netflix, cerveja e bronze de coração no lolzinho!

Joao Brito

Getup Cloud

Mini bio »

Um sysadmin de formação, mas acima de tudo em formação. Passou por grandes empresas como UOL e LocaWeb, onde por mais de 6 anos trabalhou com hosting e monitoração de sistemas críticos, mas encontrou nas startups o terreno certo para crescer. Agora com Kubernetes e containers alcançou um novo patamar, integrando e entregando o que há de melhor e mais ágil, impactando colegas e o setor de TI.

Kassiana Costa

GOL Linhas Aéreas Inteligentes

Mini bio »

Mestre em Gestão de Sistemas Produtivos, atua há 11 anos na área de TI, trabalhando com Lean e na formação de equipes de alta performance, conheci o Ágil em 2015, de forma tardia, mas imediatamente percebi a diferença que as práticas fazem no dia a dia. Agora me dedico a levar essas práticas para as organizações e comunidades em que participo, com a implementação de STATIK para mais de 5.000 pessoas nas áreas de operações, infra e RH e a organização do evento Lean Coffee em Campinas.

Kelvin Ronny

Daitan Group

Mini bio »

26 anos de idade e experiência de mais de 10 anos, sendo mais de 8 anos na área de Engenharia de Software. Trabalhando na Daitan Group com automação de testes, testes de carga, desenvolvimento de sistemas e engenharia de dados para análise de performance. Pai e marido apaixonado, fiz Técnico em Eletroeletrônica no Cotuca-Unicamp (a melhor escola do mundo!) e Ciência da Computação no IC-Unicamp. Cresci em Hortolândia, a melhor cidade do mundo e meu Pokémon favorito é o Charizard!

Luana Linares

Linx

Mini bio »

Sou a Luana, uma jovem senhora de 30 anos (por enquanto) que curte família, livros, todo universo nerd e HARRY POTTER.

Sou de uma família onde as mulheres assumiram muitos papéis, desde encanadoras à churrasqueiras, pois a presença masculina não era evidente em nossa casa. Com isso aprendi muito sobre meu papel na sociedade e o que posso fazer pra ajudar outras mulheres.

Sou apoiadora de alguns grupos de incentivo à mulheres na tecnologia, como o FemmeIT, QALadies e Test Girls.

No âmbito profissional, comecei a atuar na área administrativa e depois de 5 anos como funcionária pública migrei para a área de TI onde passei por suporte, implantação, documentação e teste de software, área onde me encontrei e sou feliz.

Entre minhas referências estão Shakira, Ana Clara Caetano Costa e Vitória Fernandes Falcão do duo “Anavitória”, Annelise Gripp e minha mãe.
Procuro disseminar alegria e bom humor em todas as minhas conversas, pois os sorrisos são a melhor resposta em muitas situações.

Marcell Castelo Branco

Avenue Code

Mini bio »

Arquiteto de software com grande experiência na concepção, análise, arquitetura, integrações e desenvolvimento de sistemas e soluções. Há alguns anos atua também mentoria de times internos e de clientes em várias disciplinas, incluindo Java, integrações de sistemas, computação na nuvem, micro serviços, DevOps, transformações ágeis e desenvolvimento de produtos em mercados como os de mídia, bancário e de telecomunicações.

Mateus Prado

CodeOps

Mini bio »

Arquiteto e Engenheiro de Sistemas, especialista em construção de aplicações e ambientes críticos que necessitam de performance e alta disponibilidade. Combinação de conhecimento técnico que inclui cloud computing, desenvolvimento de software, automação, sistemas operacionais e arquitetura. Um dos responsáveis pela introdução da cultura e ferramentas DevOps na América Latina.

Natalia Manha

PagSeguro

Mini bio »

Mestre em Gestão de Sistemas Produtivos, atua há 11 anos na área de TI, trabalhando com Lean e na formação de equipes de alta performance, conheci o Ágil em 2015, de forma tardia, mas imediatamente percebi a diferença que as práticas fazem no dia a dia. Agora me dedico a levar essas práticas para as organizações e comunidades em que participo, com a implementação de STATIK para mais de 5.000 pessoas nas áreas de operações, infra e RH e a organização do evento Lean Coffee em Campinas.

Paulo Gomes da Cruz Junior

Daitan Group

Mini bio »

Honestly, I’m a 30ish years old developer, who at a certain point in my life realized that software development is like Lego Bricks. I’ve always loved to build stuff with this bricks, and building software for me is 90% fun and 10% job. If you like to code, build plastic brick’s towers and play some video and board games, just come with me on my magical journey through this big project called life.

Rafael Barbosa

Semantix

Mini bio »

Ajudo times a alavancar e implementar suas idéias com tecnologias de ponta e que facilitem sua manutenção utilizando os 10 anos de experiencia que tenho em desenvolvimento, arquitetura, e mais recentemente serverless AWS, focado em big data.

Rafael Pereira de Lima

Thoughtworks Brazil

Mini bio »

Rafael is a Lead Consultant at ThoughtWorks, where he works as a quality advocate, making sure that quality is present in all areas of the project, from stories conception and creation all the way to deploy. He has 14 years of experience in IT, where he played various roles: support, manual QA, automation Engineer, QA Team Leader, developer.

Roselma Mendes

Thoughtworks Brazil

Mini bio »

Feminista Negra que ama programação. Baiana. Uma ThoughtWorker com quase 7 anos de experiência na área de desenvolvimento. Curte programação Web, fullstack, backend. Se interessa por Arquitetura de Sistemas: Entrega de Software, um pouco de Infra, design de aplicações, segurança, e por ai vai.

Tatiane Paya

Mini bio »

Tatiane Payá, 35 anos, 17 anos de experiência em TI e os últimos 5 anos com o compromisso de garantir o sucesso entre a comunicação entre os times de Desenvolvimento e Operações.

Vanessa Gomes

Thoughtworks Brazil

Mini bio »

Vanessa está na ThoughtWorks desde 2015 atuando como consultora e desenvolvedora de Software. Já trabalhou com startups e clientes corporativos e adora resolver problemas reais através de tecnologia. Hoje tem o maior foco em Qualidade de Código, Desenvolvimento Ágil e Entrega Contínua.

Programação


Primeiro Dia

Descrições palestras

Clique no nome da palestra para ver a sua descrição.

Credenciamento e recepção

Abertura

Enterprise transformation (and you can too)

Palestrante: Donovan Brown

“That would never work here.” You’ve likely heard this sentiment echo from your company’s conference rooms or board rooms (or maybe you’ve said it yourself). There are always reasons: established processes (with vested interests supporting them), legacy codebases and data centers (both with large install footprints), and scale (for some values of scale), to name just a few.

Good news: change is possible. Donovan Brown walks you through a case study from Microsoft’s Visual Studio Team Services (VSTS). VSTS went from a three-year waterfall delivery cycle to three-week iterations and open sourced the VSTS task library and the Git Virtual File System (GVFS). To make these changes, the team had to question its tool choices, change its processes, and empower its people. You’ll learn why integration of cross-functional teams is key to the continuous delivery of value to end users.

Coffee Break

Developer Experience: desbloqueando entregas ágeis

Palestrante: Bruno Lara Tavares

O conceito é simples: desbloquear o caminho para produção. Mas como lidar com essa experiência na prática?

Vamos conhecer melhor o conceito, como investir em melhorar processos e ferramentas de entrega ajudam a reduzir o Lead Time, e ouvir relatos de uma equipe que melhorou o dia a dia de ops e dev

Developer Experience é um termo que vem ganhando visibilidade em empresas que estão vivendo o processo de transformação digital.

O conceito fundamental de Developer Experience é simples: desbloquear o caminho para produção. Mas afinal, como lidar com essa experiência na prática?

Vamos conhecer melhor esse termo, entender como investir em melhorar processos e ferramentas para suas equipes de entrega ajudam a reduzir o Lead Time e melhorar o Time to Market, e ouvir experiências de participar de algumas equipes com o objetivo de remover bloqueios de processos.

Implementando uma cultura DevOps efetiva

Palestrante: Eric Magalhães

Quando se fala em DevOps há um grande apelo nas ferramentas e na agilidade que essa cultura pode trazer, se esquece porém dos problemas que a adoção pode gerar. Essa talk tem o intuito de discutir os principais fatores de sucesso na adoção de uma cultura DevOps com foco no recurso chave: As pessoas

Durante a talk vamos definir brevemente os principais problemas oriundos da adoção da cultura DevOps incluindo situações vivenciadas em empresas que trabalhei e a partir daí focar em como resolver esses problemas.

Para resolver os problemas que serão apresentados, vou apresentar em termos gerais as ações que julgo essenciais para o sucesso da adoção de uma cultura DevOps e que muitas vezes passam despercebidas pelas pessoas envolvidas.

Em resumo, a ideia é promover um ambiente para o desenvolvimento de ações objetivas com o intuito de planejar e implementar uma cultura DevOps para que esta esteja melhor alinhada com os fatores organizacionais, e assim, aumentando as chances de sucesso da adoção.

A relação entre Ágil e DevOps

Palestrante: Marcell Castelo Branco

Como produzir softwares e levá-los ao mercado mais rapidamente? Como manter meus produtos e serviços aderentes às necessidades do mercado e com alta qualidade? Vamos conversar sobre o que tem mudado na forma de definir as estratégias e como gerenciar pessoas e processos nesse novo mundo Ágil/DevOps?

Promover entregas mais rápidas de software assegurando a qualidade tem sido meta no mercado de T.I. há algumas décadas e essa jornada tem levado profissionais e empresas a se reinventarem, buscando novas maneiras para alcançarem melhores resultados. Nesta palestra serão apresentadas as motivações que originaram o Ágil e DevOps, as soluções que eles propõem e as transformações organizacionais observadas em níveis estratégicos e táticos para suportar esse novo paradigma de desenvolvimento e operações de T.I.

Almoço

Automação de Access Control Lists através de Redes Definidas por Software

Palestrante: Gustavo Pantuza

Imagine garantir a liberação de acessos entre aplicações e serviços de forma automatizada e de baixo custo. Essa palestra apresentará como estruturamos a Cloud da Globo.com e como através da GloboNetworkAPI, OpenDaylight e Open vSwitch conseguimos implementar uma solução automatizada em SDN.

No datacenter da Globo.com temos um problema ao configurar ACLs em nossos Switches topo de rack. As ACL são escritas em uma memória especializada chamada TCAM. Essas memórias são muito pequenas e muito caras. Além disso os fabricantes de hardware de telecom não conseguem entregar um equipamento com grandes volumes dessa memória. Em média, os equipamentos disponibilizam cerca de 2 Kb dessa memória.

Na Globo.com temos cerca 50 K ACLs. Elas não cabem nas memórias desses equipamentos. A consequência disso é que sempre perdemos algumas ACLs ou temos que criar ACLs mais genéricas; o que reduz a segurança.

Em função desse problema implementamos uma solução baseada em Redes Definidas por Software que suportasse todo o volume de ACLs assim como fazer isso de forma automatizada e sistêmica. Nessa solução utilizamos uma stack toda em software livre: a GloboNetworkAPI [1], o OpenDaylight [2] e o Open vSwitch [3] como ferramentas.

Essa palestra irá apresentar toda a estrutura da cloud da Globo.com dentro do Datacenter. Na sequência apresentar o problema dentro dessa infraestrutura. Em seguida aprofundar nos detalhes da arquitetura e da implementação da solução SDN. Ao final estatísticas da solução serão apresentadas como métricas da eficiência da solução.

[1] GloboNetworkAPI https://github.com/globocom/GloboNetworkAPI
[2] OpenDaylight https://www.opendaylight.org/
[3] Open vSwitch http://www.openvswitch.org/

Die Hard - A tale of an always on app - K8s VS Chaos

Palestrante: João Brito

Ter uma aplicação resiliente não é uma tarefa fácil e, estar preparado para o inesperado, torna a tarefa ainda mais difícil

Chaos Engineering é a disciplina de trabalhar com a incerteza em sistemas distribuídos, descobrindo pontos fracos, ampliando a confiança e capacidade das aplicações em suportar condições turbulentas na produção.

Farei uma demonstração utilizando múltiplos clusters kubernetes federados, uma aplicação com múltiplos componentes espalhados e coordenados por ele e, de outro lado, o Chaos Engineering buscando derrubar a infraestrutura, mostrando ao público a resiliência e alta disponibilidade geográfica, mesmo em casos de perdas de regiões inteiras.

O público irá interagir com a aplicação durante o caos gerado, mesmo com sua infraestrutura sob ataque. Durante os passos explicarei alguns conceitos aplicados. Tecnologias Envolvidas

7 Passos para Dataops

Palestrante: Rafael Barbosa

Vivemos na era do Big Data, mas você já entende quais os controles que fazem tudo isso possivel e escalável?

Venha ver quais são os passos que permitem você e sua empresa a ficarem sempre a frente da evolução garantindo bons resultados. E ainda por cima tem uma demo live no final.

Coffee Break

Ignite Talks

Palestrante: Tatiane Paya, Victor Monteiro, Igor Souza

Tatiane Paya - Tratando crises, como eliminar barreiras entre Operações e Desenvolvimento?

Victor Monteiro - Mapeando 1 milhão de recursos em uma Cloud

Igor Souza - DevOps não é sobre velocidade, é sobre qualidade!

Entrega Contínua e aplicações em Produção: por que não é só a implantação?

Palestrante: Vanessa Gomes, Roselma Mendes

Considerar uma aplicação pronta para Produção vai muito além de implantá-la.Não existe perfeição no processo de entrega de um produto aos clientes e usuários. Nessa palestra vamos falar sobre a construção da maturidade do processo de entrega de aplicações e como ele deve ser contínuo e evolutivo.

O que torna uma aplicação pronta para ser usada?

Na área de desenvolvimento de Software existe uma busca pela forma perfeita de entregar o melhor produto aos nossos clientes.

Na nossa experiência não existe perfeição. No entanto, existe um processo maduro e contínuo que leva a termos um produto confiável. Nesse processo estão incluídos a construção de um código robusto, testes e acompanhamento da aplicação. Temas como segurança, entrega contínua, monitoramento e gerência de configurações também fazem parte desse conjunto.

Nessa palestra vamos falar sobre a construção dessa maturidade do processo de entrega e como ele deve ser contínuo e evolutivo.

Kanban para equipes de infraestrutura com STATIK

Palestrante: Natalia Manha

Para gestores e membros de equipes de infraestrutura que precisam lidar com entregas contínuas, o STATIK é uma abordagem para implementação do Kanban que permite começar com o que a organização faz hoje, diferente de outras abordagens, o STATIK busca mudança evolucionária.

Vemos muito sobre agilidade em desenvolvimento, mas e quanto a áreas de operações, suporte e infraestrutura? Como priorizar, organizar e medir a efetividade dessas equipes? Essa apresentação tem como objetivo falar sobre o STATIK, abordagem para implementação do Kanban, que leva em consideração a necessidade de entregas contínuas e demandas imprevisíveis, mostrando que o Kanban não é só um quadro. Com os princípios e práticas envolvidos nesse processo, essa apresentação tem como benefício o conhecimento de uma abordagem simples para implementação e melhoria contínua, que pode ser aplicada no dia seguinte.

Migração de testes manuais para automatizados - minha equipe está preparada?

Palestrante: Luana Linares

Mesmo na tecnologia, toda mudança causa desconforto no início e o mesmo ocorre para os testes automatizados. Saber qual o momento certo e os passos que precisam ser dados para essa migração é o que pretendo abordar na palestra, levando os participantes a se motivar na implantação deste processo.

Mudanças não são fáceis, isso é um fato. Muitos são os fatores impeditivos (tempo, dinheiro, motivação da equipe, etc), porém se não dermos um passo nunca poderemos evoluir e ganhar espaço nesse mercado extremamente exigente e rigoroso.

O objetivo dessa conversa é apresentar uma estrutura de preparação para migrar testes manuais para automatizados, para que o processo flua com naturalidade, sem causar dor de cabeça ao time.

Happy Hour

08:00 - 09:00 Credenciamento e recepção
09:00 - 09:30 Abertura
09:30 - 10:15 Enterprise transformation (and you can too)
10:15 - 10:40 Coffee Break
10:40 - 11:10 Developer Experience: desbloqueando entregas ágeis
11:10-11:40 Implementando uma cultura DevOps efetiva
11:40 - 12:10 A relação entre Ágil e DevOps
12:10 - 13:30 Almoço
13:30 - 14:00 Automação de Access Control Lists através de Redes Definidas por Software
14:00 - 14:30 Die Hard - A tale of an always on app - K8s VS Chaos
14:30 - 15:00 7 Passos para Dataops
15:00 - 15:30 Coffee Break
15:30 - 16:00 Ignite Talks
16:00 - 16:30 Entrega Contínua e aplicações em Produção: por que não é só a implantação?
16:30 - 17:00 Kanban para equipes de infraestrutura com STATIK
17:00 - 17:30 Migração de testes manuais para automatizados - minha equipe está preparada?
18:00 - 20:00 Happy Hour

Segundo Dia

Descrições palestras

Clique no nome da palestra para ver a sua descrição.

Credenciamento, recepção e patrocinadores

Abertura

Problemas!? Oba!

Palestrante: Gustavo Lichti

O objetivo dessa palestra é gerar provocações que possam estimular mudanças nas pessoas, de forma que passem a ver os problemas como oportunidades de evolução pessoal e profissional e que o grande gatilho das evoluções são os problemas.

Problemas permitem que possamos aprender cada vez mais, são eles que permitem que nos desafiemos, resolver um problema deve ser um desafio, precisamos ver os problemas como oportunidades de evolução pessoal e profissional. Problemas são agentes de mudança e aprendizados. Parece que não, mas tudo isso tem muito haver com a cultura DevOps, mais do que você imagina. Problemas!? Oba!

How To Make Good And Difficult Decisions

Palestrante: Bernd Erk

Suit or shirt, tea or coffee, cloud or on premise. Our whole life is a combination of conscious and subconscious decisions. They can be made through either an intuitive or reasoned process, or a combination of the two. Independent from the level of difficulty we fall victim to the same cognitive and personal biases. Especially personal and cultural decisions are sometimes hard to make, cause the establishment and enumeration of the underlying criteria is hard.

The technological developments of the last decade have made poor decision making easier, more immediate, and more widely consequential. A good understanding of your decision making process and well known biases helps you to make better judgment. That said the talk will give you a psychology overview about the process of decision making and common pitfalls. It will share some tricks to make the right choices and cases of invaluable weak criteria.

Coffee Break

Decolando com Ágil & DevOps

Palestrante: Kassiana Costa

Apresentar como combinar Ágil e DevOps para ajudar as empresas a decolarem com mais segurança, baixo custo e inovação possibilitando um trabalho colaborativo e inteligente para servir e encantar os passageiros neste voo. Então venham junto nesta viagem e não esqueçam o cartão de embarque :)

As organizações atuais se encontram em diferentes níveis de maturidades quando o assunto é metodologias Ágil e DevOps. Inclusive dentro da própria organização, onde cada departamento está atuando em diferentes níveis. Existem empresas que ainda não iniciaram sua viagem, algumas estão decolando e outras já estão em pleno voo, mas ainda construindo a aeronave e capacitando seu time. A combinação destas metodologias estão se mostrando cada vez mais vantajosas para as organizações provendo melhorias na qualidade de suas entregas, baixo custo, maior produtividade e menor time-to-market, a partir de processos mais automatizados e seguros possibilitando ao seu time um trabalho mais colaborativo e com maior autonomia.

DevOps Aviation: Lições aprendidas na Aviação

Palestrante: Mateus Prado

Duas industrias que tem muita coisa em comum e nessa talk quero mostrar como podemos aprender com a aviação e trazer para o dia-dia da nossa área. DevOps é a palavra chave da revolução do nosso merdado, mas existem coisas em comum que outras industrias, como da aviação, já pratica há tempos

Aviões são coisas bem legais, mas a indústria aeronautica é ainda mais legal, pela engenharia e como as coisas funcionam por lá. Como eles lidão com problemas. Nossa área de T.I tem muita coisa em comun com a aviação e nessa talk, vou compartilhar minha experiência como Piloto de avião nas horas vagas, que me ajudam a tomar decisões e definir arquiteturas de software, infraestrutura e cultura, no meu dia-dia em times de tecnologia que estão adotando DevOps como metodologia de trabalho. Uma visão do que podemos aprender com outra indústria, que lida com problemas parecidos: muito software, sistemas distribuidos, incidentes, bugs, caos, times e pessoas. O que DevOps como revolução das empresas de T.I, tem em comun com a aviação? Existe uma série de práticas que podemos começar a fazer, melhorar e manter no jeito de escrever, entregar e operar software na empresa que trabalhamos, no momento da adoção de DevOps, e é disso que vamos falar.

Almoço

From Zero to Hero - An evolution of a software lifecycle in a small company

Palestrante: Paulo Gomes da Cruz Junior

In 2012, a small company in Brazil was dealing with a chaotic, but a very common scenario, the lack of software development process. Lots of different customer environments, lots of different versions and different services running like crazy. Constant outage and customer complaints dictate the daily basis of developers.

That was the scenario when I joined the company. It was hell, but as the majority of the small companies around the globe, they always think processes exist just to make everybody’s life miserable and prefer to continue without it.

But some time later, and I have to admit, it took us a lot of time, we realized that some processes were needed to save us from despair.

All for One and One for All

Like the old story about 3 guys that fight for what is right, our small, but bold dev team started to change the way we used to work, adopting some processes and we started to shape some order to the chaos. It was hard and took us 2 long years to do so. But now we succeeded. As the DevOps mentality usually teach us, it’s better to work together, as a real team, than separating inside our silos and blaming each other. So we started to discuss what we can do to help each other.

Automation, Automation and Automation

Humans are prone to error, especially if we deal with repetitive tasks. We got lazy and we stop to pay attention to this tasks, and all of a sudden, something blows up. To stop this behavior, we automated a lot of things, and now we have a mature process to guide us through this dark and deep space of software development.

Small but strong as a rock

Usually, people tend to think that DevOps is a thing for huge corporations, but this is a big lie, even in a small project that you have only your both hands as an asset, you can apply it, and if you would like to learn how we applied it to a 6 person team, join me at this talk.

Orchestrating automated tests in multiple operating systems and browsers

Palestrante: Kelvin Ronny

What should you do if your product must be tested on multiple operating systems before delivering? And what if it must be tested on different browsers? Now it is a lot of combinations. And how to do this on a agile way? Here is a talk about how we can orchestrate automated tests on different systems, on different browsers. Assuring the coverage on all operating systems and browsers supported by a product is one of the toughest tasks commonly faced when transitioning to a devops setup. Due to the high quantity of environment combinations, the complexity of organizing and executing tests increases and can lead to an uneffective pipeline. In this talk we will evaluate an automated orchestration of complex test suites that delivers the effectiveness needed for proper devops.

A 'Especificação por Exemplo' trabalhando pro time

Palestrante: Carla Crude

A especificação por exemplo (SbE) é um exercício de aproximação do negócio e deve ser clara para todo o time. Quando o time se aproxima do negócio o engajamento é maior. A SbE é o ‘core’ em forma de documentação viva desta interação. Mas…o que é e como ela pode catalizar o trabalho do time?

Objetivo: Entender o que é SbE e como ela trabalha pelo time

A SbE tem como foco o que deverá ser feito, o comportamento da feature que será entregue. Quando estas especificações são automatizadas se tornam vivas, daí vem o conceito de “documentação viva”. Quem interage com esta documentação? Somente QA e PO? Qual a importância da mesma para o DevOps e para o desenvolvedor? Quando o time trabalha em conjunto baseado nestas especificações o entendimento do comportamento da aplicação fica mais uniforme? Esta documentação facilita a transparência com o cliente? Estas são algumas perguntas que podemos responder pra auxiliar no entendimento de como a SbE trabalha para o time.

Cientificamente já foi comprovado que o cérebro internaliza informações com maior facilidade baseado em exemplos. Então que tal utilizarmos isto a nosso favor?

Coffee Break

Ignite Talks

Palestrante: Emmanuel Brandão, Alexandre Stratikopoulos

Emmanuel Brandão - DevOps em Enterprises: Problemas

Alexandre Stratikopoulos - Lições da Copa do Mundo de Futebol para os times de DevOps

Breaking the Boundaries

Palestrante: Rafael Pereira de Lima

Nowadays is common to have discussions on how a software can be developed and deployed in a shorter amount of time and with better quality. Unfortunately, it is also common to have at least three separate teams to accomplish that, a dev team, a QA team and an OPS team. This is not agile and it is common that the QA team is either testing or automating an artifact that it is already developed or even deployed to production. It is also common the need to open a ticket for the OPS team to deploy the application.

The approach that the teams should be taking is to have one single team with everyone necessary inside that team: dev, QAs, BAs, PO, UXs, IMs. Also 1 person of each role is involved in reviewing written stories, specially their Acceptance Criteria. This way the story is moved to Ready to Play with various input from different people and therefore the chances of that story to be done incorrect or missing pieces are very low.

In this talk, we will discuss how by involving everyone in the team in the whole development process and by using tests and a proper continuous delivery pipeline we are able to break those boundaries, improving the delivery pace and the quality of what is being built.

Code Debt Killers - Promovendo Continuous Code Quality com Gamificação

Palestrante: Amanda Mattos

Nowadays is common to have discussions on how a software can be developed and deployed in a shorter amount of time and with better quality. Unfortunately, it is also common to have at least three separate teams to accomplish that, a dev team, a QA team and an OPS team. This is not agile and it is common that the QA team is either testing or automating an artifact that it is already developed or even deployed to production. It is also common the need to open a ticket for the OPS team to deploy the application.

The approach that the teams should be taking is to have one single team with everyone necessary inside that team: dev, QAs, BAs, PO, UXs, IMs. Also 1 person of each role is involved in reviewing written stories, specially their Acceptance Criteria. This way the story is moved to Ready to Play with various input from different people and therefore the chances of that story to be done incorrect or missing pieces are very low.

In this talk, we will discuss how by involving everyone in the team in the whole development process and by using tests and a proper continuous delivery pipeline we are able to break those boundaries, improving the delivery pace and the quality of what is being built.

Fora da Caixa

Palestrante: Beth Viveiros

Encerramento

08:00 - 09:00 Credenciamento, recepção e patrocinadores
09:00 - 09:20 Abertura
09:20 - 09:50 Problemas!? Oba!
09:50 - 10:20 How To Make Good And Difficult Decisions
10:20 - 10:50 Coffee Break
10:50 - 11:20 Decolando com Ágil & DevOps
11:20 - 12:10 DevOps Aviation: Lições aprendidas na Aviação
12:10 - 13:30 Almoço
13:30 - 14:00 From Zero to Hero - An evolution of a software lifecycle in a small company
14:00 - 14:30 Orchestrating automated tests in multiple operating systems and browsers
14:30 - 15:00 A 'Especificação por Exemplo' trabalhando pro time
15:00 - 15:30 Coffee Break
15:30 - 16:00 Ignite Talks
16:00 - 16:30 Breaking the Boundaries
16:30 - 17:00 Code Debt Killers - Promovendo Continuous Code Quality com Gamificação
17:00 - 17:45 Fora da Caixa
17:45 - 18:00 Encerramento

Código de conduta


CÓDIGO DE CONDUTA

O DevOpsDays é um evento sem fins lucrativos cujo principal objetivo é promover a troca de experiências entre as pessoas sobre a cultura DevOps no Brasil.

Este Código de Conduta será aplicado para todos enquanto participantes desse evento para proteger o público de danos e perigos morais.

Nos dedicamos a promover um evento respeitoso e livre de assédio para todos. Não toleramos quaisquer formas de assédios ou intimidações de qualquer participante.

Imagens, atividades ou materiais de conteúdo sexual, homofóbico, pejorativo e/ou discriminatório de qualquer natureza não são aceitos.

Por assédio entende-se sem limitação:

Espera-se que os participantes cumpram imediatamente solicitações para descontinuar qualquer assédio ou comportamento de bullying. Sejam gentis com os outros. Não insultem ou ofendam outros participantes. Lembrem-se de que piadas de assédio, sexismo, racismo ou exclusão não são aceitas pela sociedade, muito menos para nosso evento.

Qualquer participante que violar tais regras pode ser convidado a se retirar, a critério exclusivo dos organizadores do evento.

Se um participante se engajar em comportamento de assédio, os organizadores do evento podem tomar medidas que considerem adequadas, desde alertas ao infrator até a vedação de sua participação em demais eventos promovidos pelos membros da organização individual ou coletivamente.

Se você for assediado, perceber que alguém está sendo assediado, ou tem outras preocupações, por favor aja para interceptar ou peça ajuda aos organizadores. Estamos certos de que essa política ajudará a fazer do DevOpsDays um espaço mais acolhedor, inclusivo, e integrador para todos.

Este Código de Conduta foi adaptado a partir do código de conduta utilizado pelo DevOpsDays Porto Alegre 2016, que foi adaptado pela comunidade GTC - Grupo de Testes Carioca, que foi adaptado pelo evento LinguÁgil, que foi adaptado pelo evento Agile Trends, que foi adaptado a partir dos códigos de conduta utilizados pelo Ideias em Produção, adaptados a partir do Python Brasil 9, este por sua vez adaptados dos códigos de conduta utilizados pela Plone Foundation e pela PyCon US, e estão licenciados sob a Creative Commons Attribution-Share Alike 3.0 Unported.

Esgotados!

Ingressos


Earlybird

[ FINALIZADO ]
Para compras antecipadas

R$ 220,00

Comprar

Governo

Para pagamento via empenho

R$ 560,00

Comprar

Valor padrão

Valor padrão para os participantes

R$ 280,00

Comprar

Patrocinio


Platina

Agility networks Globalweb Rancher

Happyhour

Blue digital

Ouro

B r q V mware

Prata

Creditas Getup cloud Agencia g n u Nubank

Bronze

Avenue code Kinghost Timbira

Seja um patrocinador!

Benefícios propostos Grupos de parceria
Apoio Bronze Prata Ouro Happyhour Platina
Ingressos - 1 2 3 5 5
Logo nas comunicações por e mail - não sim sim sim sim
Logo no site do evento - sim sim sim sim sim
Logo nos slides rotativos - não sim sim sim sim
Mesa compartilhada - não sim não sim sim
Mesa própria - não não sim sim sim
Um minuto para falar com o público - não não liberado liberado liberado
Cota de participação R$ indef R$ 1000 R$ 2000 R$ 5000 R$ 8000 R$ 8000
Há também oportunidades para patrocínios especiais exclusivos. Se você está interessado em um patrocínio especial ou tem uma ideia criativa sobre como pode apoiar o evento, mande um email para nós.